Novas mídias e liberdade

MARÇO 2013

Entrevista concedida ao jornalista Raphael Mendonça, do jornal da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em março de 2013.

Primeiro, o que são as chamadas novas mídias? Qual o contexto delas no Brasil? Elas surgem, de maneira geral, como plataforma positiva?

As novas mídias, assim tout court, geralmente referem-se às mídias decorrentes das novas tecnologias de informação e comunicação. O contexto de uso no Brasil não difere muito do restante do planeta onde são adotadas pela maioria das pessoas, sendo nosso país um que se destaca pela intensidade e penetração da adesão a essas tecnologias, inclusive nas camadas da população de menor renda.

Isso é muito positivo também pela inclusão que propiciam, facilitando a articulação da cidadania mesmo que carenciada em itens essenciais da civilização, como saneamento básico, justiça e outras mazelas, pois a apropriação tecnológica e o acesso à informação são cada vez mais elementos estruturantes da consciência social e da inserção no mundo.

A blogueira cubana é grande exemplo do uso da mídia como forma de expressão e busca pela liberdade, já que vive restrições em seu país. As novas mídias surgem como um escape nesse sentido? Não há controle sobre a informação? Qualquer um posta o que quiser, onde quiser, de diferentes maneiras?

A referida blogueira é, a meu ver, mais um caso de uso político e marketing com outras finalidades do que um exemplo de forma de expressão e busca pela liberdade (seja pelos seus patrocinadores, seja pelos detratores). A forma como o “case” tem sido tratado é extremamente parcial e manipulado, sem questionamento inclusive ao financiamento da mega-operação de seu périplo. As alegadas restrições (Quais mesmo? Pois ganhou fama internacional por publicar um blog que não sofre qualquer tipo de bloqueio, ao contrário da economia da ilha, não foi impedida de sair e ao que consta não está impedida de voltar) poderiam ser vistas com muito mais propriedade no cidadão norte-americano que está preso sem julgamento, com suspeita de maus-tratos e torturas, acusado de vazar informações sobre crimes de guerra para o Wikileaks…

As novas tecnologias e as mídias e redes sociais possibilitam novas formas de expressão e democratização da circulação de informação – cada vez mais dominadas num mundo onde a posse das mídias está cada vez mais centralizada e monopolizada, com concentração de interesses econômicos de grandes grupos de comunicação fortemente centrados mais nos negócios financeiros do que na efetiva liberdade de expressão e acesso à informação e conhecimento (em nosso país, menos de uma dezena de famílias domina a quase totalidade da posse dos jornais, revistas, televisões e rádios, só para dar um exemplo) – porém não é por si só que a liberdade de manifestação e expressão se dá.

A mesma tecnologia que permite qualquer ser humano ser um protagonista da comunicação possibilita também que governos e órgãos de controle e repressão mapeiem, de forma mais eficaz do que qualquer outra já existente até hoje, onde as pessoas estão, que palavras elas usam (não só em seus blogs e redes sociais, mas em seus e-mails pessoais e conversas provadas em chats e torpedos), como também onde estão, a que horas foram a que lugar e com quem estiveram. Ou seja, assim como a metalurgia possibilita construir meios de transporte para facilitar a vida de todos e permite a feitura de armas de morticínio cada vez mais letais, também as novas mídias podem levar a uma liberdade de expressão e informação cada vez maiores ou a formas de repressão jamais vistas.

De que maneira a era digital pode ajudar na educação e na aprendizagem?

As novas tecnologias digitais possibilitam que coisas antes só imaginadas no terreno da magia sejam possíveis. Classes inteiras podem “viajar” com seus professores para qualquer lugar do planeta ou da galáxia, por dentro do corpo humano ou fazer viagens no tempo, acessar música e literatura de todos os idiomas e épocas, cruzar informações, criando possibilidades totalmente novas para a aprendizagem. Claro que isso não ocorre espontaneamente, necessitando, como sempre, de professores motivados, engajados, com imaginação pedagógica, e de projetos bem estruturados e metodologias para que não se caia na falsa expectativa que a tecnologia resolva tudo por si só.

Tags: , , , , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s